O governador Amazonino Mendes (PDT) foi acusado pelo deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) de travar a execução das emendas impositivas dos parlamentares da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM).

Serafim chamou essa atitude de “birra” porque já se aproxima a data-limite do calendário eleitoral (7 de julho) para execução de convênios a partir das emendas dos deputados. Segundo o parlamentar, não cabe mais nenhuma discussão sobre elas.

“O que estou vendo é que o governo está empurrando com a barriga para chegar dia 7 de julho e dizer que não pode mais executar por conta da legislação eleitoral, que proíbe a assinatura de convênios após esse prazo”.

Afirmou ainda que os próprios aliados de Amazonino na assembleia enfrentam dificuldade para ver suas emendas executadas. “Ele está jogando sujo só por uma birra para mostrar que ele é o tal e que a ALE-AM não está com nada”.

Para o deputado, o prejuízo com a não realização de convênios é para a população e instituições. No caso de Serafim, suas emendas preveem recursos de R$ 5,7 milhões para Casa Mamãe Margarida, Casa da Criança, FCecon e igrejas católicas.

 

Foto: Divulgação