Os partidos que se consideram de centro e suas lideranças lançaram um manifesto conjunto defendendo a união de suas forças contra a fragmentação desse campo na eleição presidencial de outubro. São eles: PSDB, do MDB, do PPS, do PV, do PSD e do PTB e intelectuais.

O DEM, de Rodrigo Maia (RJ), não formalizou apoio à iniciativa, encabeçada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e pelo senador Cristovam Buarque (PPS-DF), este último que já foi do partido de Ciro Gomes.

Gomes, partiu para cima de Bolsonaro, nesta quarta-feira (6), em sabatina do jornal “Correio Braziliense”, de onde chamou Bolsonaro de “maluco”, “boçal”, “despreparado” e “um câncer a ser extirpado”.

O “Manifesto por um polo democrático e reformista”, que tem o apoio de 27 pessoas, defende uma “postura firme” na segurança pública, desburocratização de licenciamentos ambientais e “tolerância zero” no combate ao crime organizado.

Também apoia a manutenção do Bolsa Família e outros programas e políticas sociais.

“O Brasil precisa recuperar a confiança no seu futuro. Não chegaremos lá voltando ao passado do autoritarismo ou ao passado mais recente do lulopetismo”, disse Fernando Henrique (na foto com Cristovam Buarque) em mensagem ao grupo.

“As lideranças políticas precisam enxergar que está em jogo a recuperação da legitimidade democrática da autoridade pública ou a desorganização política, econômica e social do Brasil”, afirmou o ex-presidente, conforme relato da Folha de S.Paulo.

 

PARTIDOS CENTRO BOLSONARO CIRO

Ciro Gomes ataca Jair Bolsonaro e ambos são alvos de ataque dos que se consideram centristas
Foto: Reprodução/Blog da Cidadania

 

Os principais alvos do manifesto são, à direita, o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ), e o ex-governador Ciro Gomes (PDT), além de um eventual candidato do PT.

“O movimento não visa substituir o protagonismo de pré-candidatos ou dos partidos. Não é um movimento partidário. O manifesto não defende nomes, mas ideias e a convicção de que, se as forças democráticas se dividirem, teremos chance de repetir [a eleição de] 1989, quando essa fragmentação produziu a disputa entre extremos no segundo turno, Collor e Lula”, diz Pestana, um dos idealizadores do manifesto.

Os candidatos identificados como sendo de centro serão procurados pelo grupo para apoiar o movimento.

Foram nominados nessa condição os pré-candidatos Rodrigo Maia (DEM), Alvaro Dias (Podemos), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Henrique Meirelles (MDB) e Flávio Rocha (PRB).

Fonte: Congresso em Foco

 

Foto: Reprodução/Bem Blogado