Enquanto os representantes de três associações de categorias dos praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros falavam à imprensa que mantêm disposição de realizar ato de paralisação dos serviços para o próximo dia 15, o governador Amazonino Mendes (PDT) assinava a promoção de 2.096 policiais militares.

Por meio das associações, os praças reivindicam o pagamento de reposição salarial, atrasada há três anos, manutenção da lei 1.404, que permite promoção por tempo de serviço, além de promoção de mais 2 mil policiais além das que o governador fez hoje, dia 13.

Conforme vêm anunciando, os representantes dos praças (Francisco Pereira, o “Pereirinha”, dos subtenentes e sargentos; Gerson Feitosa, da Apeam [associação de praças], e Igor Silva, dos cabos e soldados) afirmam que vão realizar no próximo dia 15, ou antes, um ato de paralisação. Como constitucionalmente não podem fazer greve, a estratégia vai ser de faltar ao serviço durante três dias.

De acordo com os presidentes das associações, não haverá acúmulo de policiais em nenhum lugar para não caracterizar motim, considerado crime nas leis militares.

Afirmam eles que os principais municípios do estado estão integrados com o movimento, como Tabatinga, Humaitá, Parintins, Itacoatiara, Tefé, Iranduba, Coari e Manacapuru.

 

Sem pendência

Segundo divulgou a assessoria de comunicação do governo, o ato assinado hoje por Amazonino zera pendências de promoções dos anos de 2014, 2015 e 2016, totalizando 3.293 servidores beneficiados.

Alega ainda o governo que pagou neste ano R$ 2,7 mil como auxílio-fardamento, dobrou o valor do auxílio-refeição, que passou a R$ 600, e também do auxílio-moradia aos policiais em serviço no interior, também de R$ 600.

“Meu governo faz questão de respeitar as categorias, associações. A sociedade organizada. É por aí o nosso caminho. Eu quero agradecer o enorme empenho que estão fazendo. O meu governo está fazendo”, disse Amazonino.

De acordo com o governador, as promoções são resultado de ampla discussão com a categoria, que assinaram ata validando essa decisão.

“É para vocês, policiais militares, que estendo a minha mão amiga para dizer que temos uma parceria. Vamos dar segurança ao povo. Estou fazendo a minha parte”, afirmou, acrescentando que recebeu os presidentes das três associações representativas dos praças no último dia 8.

 

“Esporro” em pé

Para os representantes dos policiais e bombeiros militares, esse encontro com o governador não teria sido assim tão civilizado.

Segundo disseram à imprensa hoje, o governador os recebeu “armado de fúria, dando esporro [descompostura] e causando constrangimento. Queremos diálogo, uma reunião civilizada”.

 

Foto: BNC