O ministro da Educação (MEC), Rossieli Soares, destacou em audiência na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado o período de 2010 a 2014 como o que apresentou o melhor desenvolvimento da educação no Amazonas, na comparação com outros estados.

Rossieli debatia o estágio das políticas públicas na educação no país quando fez esse recorte para demonstrar que, apesar do Amazonas ser um dos estados que recebia menos recursos do Fundeb (fundo da educação básica) àquela época, foi o que mais cresceu.

“Com as condições oferecidas pelo Governo do Estado naquela época, o Amazonas foi o que mais cresceu no Brasil no ensino médio, ensino fundamental e no Pisa [Programa Internacional de Avaliação de Estudantes]”, disse.

Governador desse período, o senador Omar Aziz (PSD), presente à audiência pública na comissão, afirmou que o governo estadual ofereceu condições de trabalho aos servidores da educação e investiu na modernização das escolas normais e na construção de 24 escolas de tempo integral [Ceti] porque à época existiam apenas 20 na capital e nos demais 61 municípios.

“Elaboramos um plano de cargos, carreiras e remuneração da educação, estabelecendo uma data-base para os servidores e professores. Outro fator importante foi a estrutura física, com modernização das escolas”, disse o senador.

 

Defesa de escolas técnicas

Participando ativamente dos debates na comissão de educação, Omar voltou a defender a implantação de escolas técnicas para a formação de profissionais específicos para cada região.

Hoje há três unidades do Instituto Federal do Amazonas (Ifam) em Manaus e em 12 municípios. Para Omar, é pouco.

“O Ifam é uma grande sacada para se formar bons técnicos, focados na situação da região. Nem todos os brasileiros tem condições de pagar um curso de medicina, de engenharia, que são muito caros e isso fica para uma camada social muito restrita. O curso técnico pode dar uma qualidade de vida boa para quem está finalizando o ensino médio”, afirmou.

 

Foto: Divulgação