Por Rosiene Carvalho, da Redação

 

A janela da infidelidade, que abre nesta quarta-feira, dia 7, e fecha dia 7 de abril, agita os bastidores da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), onde pelo menos nove dos 24 deputados estaduais do Amazonas estão de olho na pulada de cerca.

A troca mais comentada e esperada é a do presidente da Casa, David Almeida, cuja a tendência é a de deixar o PSD de Omar Aziz para se  filiar ao PSB de Serafim Corrêa.

David busca “garantias” para evitar que articulações nacionais e regionais derrubem a possível candidatura dele ao Governo do Estado. Além disso, busca formatar uma coligação forte em torno do PSB.

Além do fim do casamento de David com o PSD, as eleições suplementares de 2017 deixaram muitas relações partidárias estremecidas. Resultado disso é que Platiny Soares (DEM), por não ter seguido a orientação da sigla, foi ameaçado pelo presidente do DEM Pauderney Avelino de expulsão.

Platiny permaneceu ao lado de David Almeida, mas nas últimas semanas tem se reaproximado de Pauderney e Omar Aziz. Além de perdão, há uma tentativa de evitar que o parlamentar deixe a sigla.

O deputado do DEM, ao lado de David, circulou e articulou nacionalmente a filiação dele ao PSL, que também deve receber o presidenciável Jair Bolsonaro.

Os deputados do MDB do senador Eduardo Braga, Vicente Lopes e Wanderley Dallas, também avaliam trocar de sigla para estarem mais próximos do governador Amazonino Mendes e mais distantes do Braga.

Vicente e Dallas se negaram de subir no palanque de Braga em 2017 depois que Braga virou as costas para a base política deles nas eleições 2016.

Mesmo com a aproximação de bastidores entre Amazonino e MDB, o BNC apurou que os dois avaliam a troca de sigla para evitarem estar nas mãos de Braga neste pleito.

Outro que ficou como um estranho no ninho após as eleições suplementares foi o deputado Orlando Cidade.

O partido dele, Podemos, fechou com David Almeida, mas Orlado se mantém na base governista. O BNC apurou que ele pode se filiar  no PV.

O PROS, que era a sigla do ex-governador José Melo, deve ser extinta na ALE-AM. O deputado Sidney Leite ensaia filiação ao PSD. O deputado Belarmino Lins também deixará a  sigla e arrastar o irmão, o  deputado federal Átila Lins (PSD).

O PSD também pode perder o deputado Ricardo Nicolau. Há duas eleições em palanque diverso ao de Omar Aziz, o deputado avalia a troca. Mas uma articulação direta entre o senador Omar Aziz e  o pai dele e  ex-deputado federal Luiz Fernando Nicolau  pode fazer com que Ricardo não arrede o pé do PSD.

No troca-troca, até o líder do governo Dermilson Chagas, hoje no PEN, é outro que avalia a mudança de partido.

Câmara municipal

Vereadores que pretendem disputar as eleições 2018 também ensaiam troca de partido. É o caso do vereador Elissandro Bessa (sem partido)  e o vereador Marcel Alexandre (MDB). O vereador Marcel Alexandre, um dos mais fiéis a Braga, deve sair do MDB e se  filiar ao PSDB de Arthur Neto.

Uma carta forte deste baralho que não foi para a mesa é o vice-prefeito Marcos Rotta. Bem cotado nas pesquisas recentes, Rotta não tem um partido para chamar de seu e fica à revelia das articulações  do prefeito.

Governador

O próprio governador Amazonino Mendes (PDT) passou a entrar na lista dos políticos que podem trocar de partido para as eleições deste ano. Ele teria recebido convite do MDB, do senador Eduardo Braga.

 

Foto: BNC