A pesquisadora do IBRE da Fundação Getulio Vargas Vilma da Conceição Pinto apontou, em matéria publicada nesta quarta-feira, dia 16, pelo jornal Folha de São Paulo, que o Amazonas é o estado “mais comprometido” em relação à dívida externa pela alta de dólar registrada nos últimos dias. A pesquisadora fez um levantamento a pedido do jornal com base nos dados do Tesouro Nacional.

 

Dor de cabeça

A dor de cabeça para o Amazonas e demais estados que ampliaram o endividamento em dólar nos últimos anos é a valorização da moeda nas últimas semanas e os efeitos desta alteração cambial no endividamento dos  estados. A especialista diz que este novo cenário acerta  em cheio justamente “os estados que vinham controlando melhor suas contas”.

 

Mais comprometido

“O estado mais comprometido é o Amazonas, que entre 2016 e 2017 ampliou a busca por recursos estrangeiros. Hoje metade da dívida consolidada de R$ 6,2 bilhões está em moeda estrangeira —a maior parte, em dólar”, afirma trecho da matéria que diz ter procurado o Governo do Amazonas para comentar o problema e não ter recebido resposta.

 

Sem critério

Outro especialista no assunto Para Raul Velloso, economista especializado em finanças públicas, afirma na mesma publicação que os estados não costumam fazer análises sofisticadas das operações afetadas pelo câmbio e por isso, agora, terão dor de cabeça. Leia a matéria neste link.

 

 

Foto: BNC AMAZONAS