O treinamento que a Polícia Federal (PF) anuncia que fará para melhorar sua relação com a imprensa chega muito tarde para a Superintendência do Amazonas.

No estado, a assessoria de comunicação não funciona. Em dias de operação, nem release é distribuído.

Além disso, o acesso de repórteres às dependências da instituição e às informações é seletivo. Foi assim que  aconteceu nas fases da operação Maus Caminhos, quando os repórteres do Amazonas tiveram dificuldade de ter acesso a informações enquanto o programa “Fantástico”, da Globo, entrou até nas celas da autarquia.

 

Foto: BNC Amazonas