Motorista de uma gráfica contratada pela campanha de Dilma em 2014, Jonathan Gomes Bastos disse ao TSE ter levado mochilas com dinheiro vivo ao ex-tesoureiro do PT Paulo Ferreira no começo de 2014. Em pelo menos dois ocasiões, o dinheiro foi retirado da sede da empresa Schahin, disse o motorista.

O ex-motorista trabalhava para Carlos Cortegoso, dono da gráfica Focal. A empresa prestou serviços para a campanha de Dilma e Temer em 2014. Bastos rompeu com Cortegoso, contra quem hoje move 1 processo na Justiça. À PF, Bastos disse ter sido usado como “laranja” pelo empresário.

Segundo Bastos, as viagens ocorreram nos primeiros meses de 2014, uma vez por semana. Um “funcionário” de Paulo Ferreira, chamado Ricardo D’Ávila, lhe entregava o dinheiro em São Paulo, junto com uma passagem de ônibus para Brasília. Cortegoso referia-se ao dinheiro como “camisetas”, disse ele.

Veja a matéria no Poder 360.

 

Foto: Elza Fiúza/Agência Brasi