Documentos encontrados pelo Ministério Público Federal e a Polícia Federal comprovam o pagamento de pelo menos R$ 4 milhões ao escritório de advocacia do atual ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.

Esse repasse segundo o MPF, seria de uma empresa investigada na Operação Acrônimo realizada pela Polícia Federal.

Foram apreendidos documentos que comprovam o repasse para o atual ministro da Justiça do governo de Michel Temer entre 2010 e 2014.

Na época segundo a PF, Moraes não exercia cargo público e isso aconteceu quando os agentes federais encontraram na mesa de um dos principais executivos da JHSF, empresa do setor imobiliário, uma planilha com o nome de Moraes que indicava uma sigla do PSDB.

Fonte: Veja

 

Foto: SCO/STF