A Justiça Federal de Brasília, por intermédio da 12ª Vara, decidiu, nesta sexta-feira (9), conceder liberdade a Joesley Batista, dono da JBS, preso preventivamente desde o dia 10 de setembro do ano passado, por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ex-executivo do grupo, Ricardo Saud também ganhou ordem de soltura.

Pela decisão, Joesley Batista e Ricardo Saud (foto) estão obrigados a:

Entregar o passaporte;

Não deixar o país sem autorização judicial;

Comparecer a todos os atos do processos;

Manter os endereços atualizados.

Procurado, o advogado de Joesley, André Callegari, informou que não comentará o assunto, mas acrescentou esperar que o cliente seja solto ainda nesta sexta.

A J&F informou que não comentará o assunto.

Fachin atendeu ao pedido feito pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot, após o acordo de delação premiada do empresário ter sido rescindido pelo Ministério Público Federal (MPF), por suposta omissão de informações nos depoimentos prestados aos investigadores da Lava Jato.

Três dias depois, conforme o portal G1, a Justiça expediu novo mandado de prisão contra o empresário, dessa vez referente à Operação Tendão de Aquiles, que apura se houve uso indevido de informações privilegiadas em movimentações do mercado financeiro.

Fontes: Política ao Minuto e G1

 

Foto: Reprodução/Diário Online