A eleição de Jair Bolsonaro para a Presidência da República, domingo (28), trouxe um alívio para os militares.

O sentimento é de que erros no governo podem comprometer a imagem das Forças Armadas.

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, resumiu o sentimento dos militares em relação à divisão que se impôs no país nos últimos tempos, trazendo enormes prejuízos a todos.

“As fake news (notícias falsas) não contavam com a fortaleza das true news (notícias verdadeiras)”, declarou o ministro ao Estado, conforme publicou também o site MSN.

Etchegoyen (foto) acompanhou ao lado do presidente Michel Temer, no Palácio Alvorada, as apurações e a manifestação dos candidatos eleitos e derrotados.

Depois de votar, ele disse que “somos um povo pacífico e confiamos no modelo democrático.”

Oficiais ouvidos pela reportagem ressaltam que Bolsonaro enfrentará dificuldades para governar.

A avaliação corrente é de que um revés ou erros do próximo governo, que tem dois militares reformados à frente – além do capitão Bolsonaro, o vice-presidente eleito é o general de Exército Hamilton Mourão –, poderia gerar um ônus à imagem das Forças Armadas.

Os militares salientam que o deputado do PSL era a única opção viável e agora pregam esforços para ajudar o seu governo a dar certo.

Isso, no entanto, não passa por qualquer tipo de intromissão das Forças Armadas no governo, e vice-versa.

 

Foto: Fabio Pozzebom/ABr