Por Rosiene Carvalho, da Redação

 

Autor da CPI da Dispensa de Licitação, causador da tentativa de impeachment contra o governador Amazonino Mendes (PDT) e porta-voz diário das críticas mais ásperas da oposição ao Governo, o deputado estadual  Sabá Reis (PR) recebeu a reportagem do BNC AMAZONAS no gabinete dele, nesta quarta-feira, dia 8, com ar preocupado e acuado.

Leia mais:

> > > Sabá diz que governo promove “roubalheira” em contratos

Na mesa dele, nenhum objeto de enfeite. Apenas um livro, cujo o título em letras garrafais era impossível não chamar atenção de quem senta naquele ambiente, “Mente positiva”. Do outro lado da mesa, a bíblia.

Antes de começar a falar, Sabá pede água dos assessores e inicia:

“Eu tenho fé (…) A cama que vou me deitar daqui pra frente é de caco de vidro para eu não demorar muito. Não tenho tempo a perder”, declarou.

O semblante aflito de Sabá e as frases de efeito que deixam claro a ansiedade em relação ao jogo eleitoral são resultado da definição das chapas proporcionais do arco de aliança do governador Amazonino Mendes (PDT), que concorre a reeleição.

O partido de Sabá, o PR, entrou no grupo em busca de abrigo seguro para eleger ao Senado Alfredo Nascimento ao Senado e conseguiu deslocar da disputa ao mesmo cargo a ex-deputada federal Rebecca Garcia (PP).

No fechamento das coligações proporcionais, foi cobrada a fatura do PR que teve que se unir à chapa com o PP que tem nomes de peso na disputa e o precioso apoio de quem comanda  a máquina estadual. PR e PP devem ter ainda na mesma chapa o Solidariedade e o PPL.

Para Sabá, o jogo é claro: o governador e seus aliados tentam sufocá-lo.

“Eu tenho informações e a imprensa vem divulgado que o governador estaria montando uma força tarefa coordenada por sua sobrinha, paga com dinheiro público para ser secretária de assistência social. Uma força tarefa com objetivo de me destruir politicamente. Querem fazer tudo que tiver ao alcance  do governo para impedir minha reeleição”, declarou Sabá Reis.

O parlamentar disse que a pressão é clara tentativa  de intimidação para que ele cesse as denúncias contra o governo. “Retaliação, perseguição, tentativa de me intimidar. É exatamente isso que não vão conseguir. Porque vou continuar fazendo meu papel de fiscal. Vou fazer denúncia que eu entendo em favor da população como foi do livreto”, declarou.

Sabá denunciou da tribuna que o governo  compraria livros educativos por  valores muitos maiores que o de mercado. “Dispensa é crime, mas por  que ele adotou essa prática? Porque precisava fabricar dinheiro para a disputa eleitoral”, declarou.

O parlamentar disse que compreende a estratégia do partido que o colocou no campo dos protagonistas do seu combate nos últimos meses e submetido às regras ditadas pelos adversários.

Sabá disse que confia que Alfredo Nascimento moverá os esforços necessários para que o partido não fique sem representação na ALE-AM, assim como ele também se movimentará neste sentido.

“Tenho certeza que o Alfredo vai fazer o que for possível para ajudar o seu partido. Coligação só dura até o dia da votação cada qual no se quadrado. É nessa hora que nosso quadrado vai dizer o que ficou e o que não ficou. Vou fazer de tudo para que o PR não fique sem representação aqui na casa”, disse.

 

Foto: Divulgação/Sabá Reis