O governador Wilson Lima assumiu, nesta sexta-feira, dia 15, que vai executar uma das suas promessas de campanha: o desenvolvimento da produção agropecuária para ampliar a participação do setor primário na economia do Amazonas. Além afirmou que retomará a pujança da extração da silvinita em Autazes.

Wilson Lima esteve no Município de Autazes (a 118 quilômetros de Manaus) para lançar a campanha de vacinação contra a febre aftosa. As informações são da Secretaria de Comunicação do Estado (Secom).

Ele também anunciou investimentos em infraestrutura, saúde, educação e esporte, além de tratativas para retomada da exploração da silvinita no município.

“Viajei muito o interior e vi a dificuldade que o cidadão enfrenta no dia a dia. Assumi um compromisso muito forte com o setor primário e com o interior. Meu avô era agricultor, trabalhei com ele e vi as dificuldades que enfrentou. Estou muito feliz porque hoje, enquanto governador, posso dar condições para que o produtor rural não passe mais pelos problemas pelos quais meu avô passou. O interior vai ser protagonista na economia do Amazonas”, destacou Wilson Lima.

Acompanhado de secretários de estado e deputados estaduais, o governador abriu oficialmente a campanha de vacinação do rebando do Amazonas contra a febre aftosa, que é coordenada pela Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf), órgão vinculado à Secretaria de Produção Rural (Sepror).

“Esse tipo de campanha é fundamental para garantir a sanidade animal no nosso estado. Estamos em Autazes, que é um município simbólico nesse sentido e é fundamental que a gente ofereça esse aporte e promova campanhas dessa natureza”, disse o governador ao se referir à representatividade de Autazes na pecuária.

O município conta mais de 80 mil cabeças de gado e aproximadamente 800 criadores de bovídeos.

 

 Termo

Além de lançar a campanha, o governador e os representantes da Adaf e Sepror assinaram um termo de cooperação técnica entre o Governo do Amazonas, por meio da Adaf e do Fundo de Defesa Agropecuária do Estado do Amazonas (Fundepec), visando o fortalecimento interinstitucional para realização de ações relativas à defesa agropecuária no estado.

Participaram do lançamento da campanha os secretários da Sepror, Petrúcio de Magalhães Júnior, da Educação (Seduc), Luiz Castro, e da Infraestrutura (Seinfra), Carlos Henrique Lima, e os deputados estaduais Carlinhos Bessa, Sinésio Campos, Fausto Júnior, Therezinha Ruiz, Roberto Cidade, Augusto Ferraz, Saullo Viana e Doutor Gomes, e o deputado federal Sidney Leite.

 

Obras e educação

Em Autazes, Wilson Lima também visitou a Escola Estadual Secretária Maria Emília Martins Mestrinho (GM3), onde anunciou reforma da unidade, bastante afetada por infiltrações e com estrutura comprometida pela falta de investimentos ao longo de anos.

“Vamos fazer a reforma do GM 3, que é muito simbólica e importante para o município. Autorizei que a reforma comece o quanto antes. Outro modelo bem sucedido no estado é a Escola de Tempo Integral, os moradores daqui tem esse anseio há muito tempo, as obras se arrastam ao longo dos anos. Eu quero e vou inaugurar essa escola no final do ano. Em 2020 os alunos já vão estar estudando nessa escola”, assegurou o governador após também visitar obras do  Centro de Educação de Tempo Integral (Ceti) de Autazes, que iniciaram em 2012 e nunca foram concluídas.

Na cidade, Wilson Lima anunciou, ainda, reparos no sistema viário urbano e em seis ramais, além da aplicação de R$ 500 mil, provenientes de emenda do deputado Augusto Ferraz, para recuperação de centros e ginásios.

“Vamos identificar, junto ao secretário de infraestrutura e de esporte do município, as principais necessidades”, afirmou.

Na saúde, o governador destacou a liberação de recursos do FTI especificamente para o setor, além de emendas parlamentares com o mesmo fim.

“Vamos começar a fazer os levantamentos também para a reforma do hospital. Já conversei com o prefeito Anderson (de Autazes) e não temos porque segurar os recursos que são destinados ao interior”, frisou.

 

O minério que existe em abundância no Município de Autazes, no Amazonas
Foto: Reprodução/Notícias de Mineração

 

Silvinita

Na programação em Autazes, Wilson Lima também visitou, o escritório da empresa Brasil Potássio, que faz a extração da silvinita no município.

O processo de exploração do minério foi interrompido em 2016, devido a conflitos com povos indígenas que habitam parte do território onde a rocha se encontra em maior quantidade.

O Governo do Estado trabalha para viabilizar a exploração de forma sustentável, possibilitando a geração de emprego e renda e gerando novas matrizes econômicas para o município.

O minério é rico em potássio, principal matéria-prima para a produção de fertilizantes e adubos.

“Vou voltar em outro momento com boas notícias sobre o funcionamento da empresa Potássio do Brasil, que vai trazer ainda mais desenvolvimento para a região”, afirmou o governador.

 

Campanha febre aftosa

A campanha de vacinação do rebanho do Amazonas contra a febre aftosa alcançará, inicialmente, o rebanho de bovinos e búfalos de 41 municípios da calha do rio Amazonas no período de 15 de março a 30 de abril e de 15 de julho a 31 de agosto.

Nos 21 municípios restantes, o calendário de vacinação ocorre nos meses de maio a novembro.

O lançamento na Agrofazenda Paiva, em Autazes, contou com a aplicação de vacina contra a febre aftosa, palestras para produtores sobre crédito rural, ministrada pelo Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), órgão de assistência técnica do Sistema Sepror e uma apresentação sobre regularização das queijarias do município.

 

Notificação e penalidades

Assim que vacinar o produtor deverá procurar um escritório do Idam ou da Adaf em seu município e notificar a vacinação.

Quem não vacina e não notifica está passível a penalidades como a multa.

Não pode, ainda, retirar Guia de Trânsito Animal (GTA) – documento obrigatório para o trânsito de animal dentro e fora do Estado -, não pode participar de eventos pecuários e tão pouco transportar os animais para comercialização.

No Amazonas, a multa é de R$ 40 por cabeça de gado não imunizado além de mais R$ 300 por propriedade e pagamento dos custos de deslocamento para ADAF realizar a vacinação, de acordo com a Lei nº 2.923, de 27/10/2004, e Decreto nº 25.583, de 28/12/2005.

“Peço que os produtores procurem o escritório do Idam e os técnicos da Adaf. Nós teremos uma segunda etapa de vacinação a partir de julho, mas queremos levar essa conscientização ao pecuarista, sobre a importância da vacinação para erradicarmos, de uma vez por todas, a febre aftosa do nosso rebanho. Nós, que somos exportadores de carne, precisamos manter a sanidade do gado, seja para a carne ou para o leite e derivados”, alertou Petrúcio de Magalhães Júnior, secretário da Sepror.

 

Rebanho

O Amazonas é reconhecido internacionalmente como área livre de febre aftosa com vacinação pela Organização Mundial de Saúde (OIE) desde maio de 2018. A meta agora é alcançar o status de estado livre da febre aftosa sem vacinação.

O Amazonas possui um rebanho total de 1.489.894 animais. A campanha nos 41 municípios envolve 532.300 bovídeos.

Em 2018 foram imunizados 481.794 animais, atingindo um índice vacinal de mais de 95% do rebanho vacinado.

 

Foto: Secom