Os serviços médicos e obstétricos oferecidos pela Maternidade Moura Tapajóz vão continuar enquanto acontecem as obras de reforma e ampliação para transformá-la no hospital municipal da mulher. Quem garante é o prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB).

“Minha decisão é de se transferir para um lugar muito bom a maternidade que é referência no Norte do país. Eu jamais iria entregar as minhas grávidas para essa confusão que está na saúde estadual, só se eu fosse louco”, afirmou o prefeito. “Jamais haverá interrupção dos trabalhos da nossa maternidade Moura Tapajóz. A verdade é que ela será transformada em um hospital da mulher e, enquanto durarem as obras, as usuárias serão transferidas para um local amplo e digno”, garantiu Arthur.

A reforma e ampliação integra o pacote de obras em homenagem aos 350 anos de Manaus, comemorados em outubro.

 

Inadiável

Segundo o prefeito Arthur Virgílio Neto, a reforma é necessária e inadiável, devido a grande demanda de pacientes na unidade. Localizada no bairro Compensa, zona Oeste, a Moura Tapajóz é única maternidade pública especializada em urgência e emergência obstétrica daquela área da cidade, recebendo também mulheres vindas de municípios da Região Metropolitana de Manaus, em razão da sua proximidade da ponte sobre o rio Negro Jornalista Phellipe Daou.

 

Leia mais 

Arthur garante salário de rodoviários e diz que greve, agora, “é tolice”

 

“Nosso compromisso é zelar pelo bem-estar das nossas pacientes e de seus bebês, por isso estamos estudando a melhor alternativa para manter o atendimento de todas as mulheres, sem qualquer prejuízo. Ainda não há data para início das obras e tão logo tudo esteja definido iremos comunicar toda a população e proceder com as transferências e demais medidas necessárias”, reforçou o titular da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Marcelo Magaldi.

Atualmente, a Moura Tapajóz possui 63 leitos, distribuídos entre clínicos, maternos, neonatais, pediátricos, cirúrgicos, cuidados intermediários neonatal convencional, cuidados intermediários neonatal canguru e em situação de abortamento. Sua capacidade instalada, nos últimos três anos, registrou um total de 45.709 atendimentos, dos quais 9.904 foram partos, índice que ao longo dos anos vem aumentando gradativamente.

 

*Com foto e informações da Semcom.