A professora Andreza Mourão, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), desenvolveu como tese de doutorado um aplicativo de dispositivos móveis voltado à acessibilidade de pessoas com deficiência auditiva. O modelo pretende atender estudantes.

Segundo Andreza, sua tese de doutorado foi determinada a partir de pesquisa na Escola Superior de Tecnologia (EST), inicialmente com alunos dos cursos de computação.

“A pesquisa foi realizada com alunos matriculados no curso de sistema de informação que testaram o aplicativo. Entre eles havia um estudante com deficiência auditiva”, disse.

A professora desenvolve objetos de aprendizagem desde 2016.

A aplicação do estudo de caso específico na universidade tem por objetivo a validação do modelo de aprendizagem acessível e a promoção de políticas inclusivas na UEA.

De acordo com a doutoranda, o modelo é uma “contribuição para a educação inclusiva e também para incentivar professores da universidade a trabalhar recursos educacionais voltadas aos estudantes com as mais diversas deficiências”.

O estudo foi desenvolvido sob a orientação do professor José Francisco de Magalhães Netto, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

 

A professora Andreza Mourão exibe o aplicativo

 

Como funciona o aplicativo

Em todas as telas do projeto foi inserido um personagem animado que narra o conteúdo da tela em libras.

O modelo é compatível com dispositivos móveis Android ou iOS, executado por meio do aplicativo Class Player.

Para rodar, basta instalar o Class Player, disponível nos catálogos da Play Store (Android) e App Store (iOS), abrir o app, tocar em ‘Senha’ e digitar Midoaa.

Os alunos com deficiência auditiva do curso de computação podem acessar as plataformas para aprendizagem.

 

Leia mais:

Caixa abrirá concurso para contratar 2 mil pessoas com deficiência

 

Com informações da assessoria

 

Fotos: Divulgação