As Regiões Norte e Nordeste estão fora do próximo aumento de energia elétrica por acionamento de termelétricas. O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) decidiu, nesta sexta-feira (8), liberar o funcionamento de usinas termelétricas mais caras.

Isso significa que poderá haver aumento do valor da bandeira tarifária de energia para as Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, que sofrem escassez de chuvas.

“Assim, serão despachadas as usinas termelétricas até o limite de Custo Variável  Unitário – CVU de R$ 588,75/MWh nos subsistemas Sudeste-Centro-Oeste e Sul, a partir de 9 de fevereiro de 2019”, disse o CMSE (foto) em nota, de acordo com a Agência Brasil.

Neste mês está vigorando a bandeira verde, mas com as termelétricas acionadas a bandeira pode ficar amarela ou vermelha, levando à cobrança de taxa extra na conta de luz, de acordo com o G1.

De acordo com o comitê, a medida foi tomada por causa da escassez de chuvas, dos níveis dos reservatórios das hidrelétricas que se encontram abaixo da média histórica para o período e levando em consideração “as previsões meteorológicas para os próximos dias”.

A ordem de despacho das usinas, feita pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), é definida pela energia de menor custo, em geral, as hidrelétricas, até as térmicas de maior custo, fora da ordem de mérito de custo econômico.

Com a decisão desta sexta-feira, serão despachadas as usinas cujo custo para a geração de energia apresenta valores superiores aos indicados pelos modelos computacionais do setor.

O comitê, responsável pelo monitoramento das condições de abastecimento e pelo atendimento ao mercado de energia elétrica do país, decidiu ainda que o ONS deve considerar a liberação da importação de energia do Uruguai e da Argentina, também a partir de amanhã (9), como recurso adicional, mas mantendo a geração de usinas termelétricas.

 

Verão

Dados meteorológicos mostram que, em janeiro, predominou no país cenário de pouca chuva, especialmente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Com isso, a quantidade de água que chegou aos reservatórios das hidrelétricas, responsáveis por 64% do parque gerador nacional, ficou abaixo da média histórica em todos os subsistemas.

As informações, apresentadas na reunião do comitê, na quarta-feira (6), mostram que o armazenamento nos reservatórios do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste ficou em 26,5%; no Sul, em 44,5%; no Nordeste, em 42,1% e no Norte, em 30,6%.

De acordo com o comitê, para este mês, há possibilidade de melhoria dessas condições no Sudeste/Centro-Oeste e no Norte, com a possibilidade de os armazenamentos fecharem o mês em 27,9% e 45,8%, respectivamente.

As previsões indicam piora com os reservatórios no término do mês em 41,4%, no Sul e em 40,9%, no Nordeste.

De acordo com o CMSE, mesmo com o cenário de baixa nos reservatórios das usinas hidrelétricas, responsáveis por dois terços da geração de energia do país, está garantido o suprimento neste ano.

O comitê ressalta, porém, que permanecerá acompanhando permanentemente as condições de suprimento do Sistema Elétrico Brasileiro, principalmente no que se refere ao nível dos reservatórios, e as condições de atendimento serão reavaliadas semanalmente.

 

Leia mais

 

 

Foto: Agência Brasil/arquivo