A greve de ônibus em Manaus foi encerrada na tarde desta segunda-feira, dia 4, após acordo entre Sindicato dos Rodoviários e o Sinetram.

Na reunião ocorrida na sede do Ministério Público do Trabalho (MPT), ambas as partes chegaram ao acordo de 5,5% de reajuste a ser pago a partir do quinto dia útil do mês de agosto.

Os percentuais referem-se a 3,5% do dissídio 2017/2018 e 2% de 2018/2019. As negociações duraram mais de seis horas.

A greve teve o seu momento mais tenso nesta segunda-feira, dia 4, ao completar uma semana, quando 61 ônibus foram depredados e 10 pessoas foram presas durante protesto no Terminal de Integração 4, o T4, na zona leste de Manaus.

Leia mais

Clima tenso em Manaus com greve. População depreda ônibus e T4

Motorista de ônibus entra em choque ao ser obrigado a dirigir

Após reunião com Arthur, TRT pede intervenção federal no transporte

Prefeito vai propor que bilhetagem saia das mãos do Sinetram

“Haviam dois pontos controversos, mas o Sinetram vai pagar os feriados a 100% e duas folgas de compensação. Sempre deixei claro, ninguém está nesse movimento por dinheiro e não estou arrependido do que fiz, se tiver que fazer de novo irei fazer, mas nesse momento a greve está encerrada”, reafirmou o presidente do Sindicado dos Rodoviários, Givancir Oliveira.

Paz

“É sempre bom ter paz e Manaus merece paz. Eu só lamento a cidade ter passado por tanto transtorno e os rodoviários, hoje, terem aceitado um acordo menos favorável a eles em relação ao que negociamos na semana passada em meu gabinete”, avaliou o prefeito Arthur Virgílio Neto.

O Sinetram não concordou com a anistia para as faltas durante as paralisações e agora os trabalhadores rodoviários terão que compensar os dias em que ficaram parados. Os rodoviários também concordaram em receber, com atraso, o salário do mês de maio, que será pago até o dia 13 de junho.

E as multas?

As multas aplicadas a ambos os sindicatos pelos dias de efetiva paralização serão tratadas pela justiça comum e do trabalho, conforme competência.