Israel Conte, da redação

 

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, minimizou o vazamento de mensagens trocadas com o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da operação Lava  Jato.

“Não vi nada demais. O que houve ali foi uma invasão criminosa nos celulares dos procuradores”, disse o ministro em Manaus, nesta segunda-feira, dia 10.

As conversas foram divulgadas neste domingo, dia 9, pelo site The Intercept Brasil e mostram mensagens trocadas ao longo de dois anos, com orientações de Moro a procuradores, em relação ao andamento da operação Lava Jato, da qual era juiz. 

 

Leia mais 

Cabisbaixo, Sérgio Moro mostra abatimento em Manaus

 

Em Manaus, o ministro também colocou em xeque a autenticidade das mensagens. “Não tem nenhuma orientação ali. Nem posso dizer se essas mensagens são autênticas, porque são coisas que aconteceram anos atrás. Nem tenho mais essas mensagens”, destacou. 

Para ele, conversas entre membros da força-tarefa  é normal.  “Juízes conversam com procuradores, juízes conversam com advogados, juízes conversam com policiais, isso é algo normal. E está havendo muito sensacionalismo em relação às mensagens”, disse deixando a entrevista coletiva.

 

Foto: Robson Corrêa/ BNC