Os grupos de apoio e contrário ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) movimentaram a cidade do Recife, nesta sexta-feira, dia 24, e por pouco não houve confronto durante a passagem do presidente na capital pernambucana. A polícia interveio para evitar violência.

O presidente chegou ao Recife pela manhã e seguiu para o Instituto Ricardo Brennand, na zona oeste da cidade. Foi lá onde os grupos se aglomeraram para criticar e apoiar o presidente.

De acordo com informações do site do Jornal do Commercio (JC), os críticos de Bolsonaro portavam faixas e cartazes vermelhos e se dividiam ao microfone para discursar.

Houve um princípio de tumulto, contido em seguida com a chegada da Polícia de Choque.

O outro grupo vestia verde e amarelo e carregava a bandeira do Brasil de discursavam também a favor de Bolsonaro.

Ainda de acordo com o JC, o Instituto Brasil 200, movimento de empresários liderados por Flávio Rocha, dono da Riachuelo, decidiu apoiar publicamente as manifestações programadas para o domingo, dia 26.

Eles eram contrários diante da insinuação de que os manifestantes pediriam o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Somos contrários à tese revolucionária. Acreditamos que as mudanças têm de ser feitas pelas instituições”, afirmou Gabriel Rocha Kanner, presidente do Brasil 200.

 

Apoio empresarial

Segundo o site Diário de Pernambuco, em evento com os governadores do Nordeste e o Conselho Deliberativo da Sudene, no Recife, o presidente Jair Bolsonaro anunciou o aumento de R$ 4 bilhões no Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste para 2019, R$ 3 bilhões destinados à infraestrutura e R$ 1 bilhão para o microcrédito rural.

Com o aumento, o fundo passa a totalizar R$ 27,7 bilhões. O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, explicou que a origem dos recursos vem dos investimentos.

“O Banco do Nordeste fez uma revisão das estimativas e esse valor está voltando dos financiamentos que foram feitos”.

 

Foto: Reprodução/site TNH1