A Folha de S.Paulo noticia na noite desta quarta, dia 20, que o Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Saúde (Susam), vai pedir providências ao Conselho Regional de Medicina (CRM) e o afastamento do médico Armando Araújo da empresa em que trabalha. Ele é acusado de agredir uma paciente durante parto, conforme vídeo que viralizou na internet e em redes sociais (veja abaixo).

Segundo informou a Susam à Folha, só tomou conhecimento do caso pela divulgação da imprensa nesta terça, dia 19. O caso ocorreu na maternidade Balbina Mestrinho, em Manaus, em maio de 2018, quando a paciente tinha 16 anos.

Alegou a secretaria, cujo titular é o vice-governador do estado, Carlos Almeida Filho (PRTB), que a vítima não denunciou o caso à época da ocorrência.

O médico já responderia no órgão a um processo administrativo por denúncia de negligência de outro caso, que não foi informado detalhes.

 

O papel da imprensa no caso

Assim como a Susam, o CRM afirmou que só soube do caso de violência pela imprensa.

E que a paciente, na madrugada do dia seguinte, acabou dando à luz por parto normal. Mas, pelas mãos de outro médico.

Armando Andrade Araújo chegou a ser preso em 2015 pela Polícia Civil do Amazonas na operação Jaleco. Ele é suspeito de integrar uma quadrilha que extorquia pacientes para realizar partos, laqueaduras e outros procedimentos em hospitais da rede pública em Manaus.

 

Ficha criminal de um médico

Foi condenado a dois anos de prisão em 2018, justamente no ano que protagonizou a agressão covarde à paciente, mas a pena virou “prestação de serviço à comunidade”.

O obstetra, além desse caso, responde a outros quatro processos no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), por erro médico, crimes de perigo à vida e de corrupção passiva.

Leia matéria de Mônica Prestes, na Folha.

 

Veja o vídeo

 

Postado no YouTube por André Santos

 

Foto: Reprodução/YouTube