O presidente da República eleito Jair Bolsonaro (PSC) criticou nesta segunda-feira, dia 5, uma questão da prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), aplicada no domingo. A pergunta abordava um dicionário criado somente para o vocabulário usado por travestis.

Em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, do programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes, Bolsonaro afirmou que em seu governo o Ministério da Educação “não tratará de assuntos dessa forma”.

“Uma questão de prova que entra na dialética, na linguagem secreta de travesti, não tem nada a ver, não mede conhecimento nenhum. A não ser obrigar para que no futuro a garotada se interesse mais por esse assunto. Temos que fazer com que o Enem cobre conhecimentos úteis”, disse, ao vivo.

Na conversa com Datena, Bolsonaro disse também que não pretende acabar com o Enem.

“Ninguém quer acabar com o Enem, mas tem que cobrar ali o que realmente tem a ver com a história e cultura do Brasil, não com uma questão específica LGBT. Parece que há uma supervalorização de quem nasceu assim”.

Leia mais no Notícias ao Minuto.

 

Foto: Reprodução/Facebook