O senador Eduardo Braga (PMDB) está à frente de uma negociação que pretende acabar com a contribuição compulsória das empresas ao Sistema S, que arrecadou R$ 16 bilhões em 2016.

A ideia é fazer isso por meio de uma emenda na reforma trabalhista que começou a tramitar no Senado.

A informação foi publicada na edição desta quarta-feira, dia 3, do jornal Folha de S.Paulo, na coluna Painel.

O Sistema S mantém instituições como o Senai, Sesi, Senac, Sesc, Sebrae, Senar, Sest, Senate e o Sescoop.

Leia abaixo as duas notas da Folha que tratam do assunto.

E agora? Está em curso no Senado uma articulação para acabar com a contribuição compulsória das empresas ao Sistema S — que chegou a R$ 16 bilhões em 2016. A proposta deve entrar como emenda na reforma trabalhista e tem apoio das centrais sindicais.

Para cima deles À frente da negociação, Eduardo Braga (PMDB-AM) diz defender o repasse às escolas e oficinas do Senai e do Senac. “Mas esse absurdo de recursos públicos, não defendo.” Hoje, o Sistema S arrecada contribuições de até 2,5% sobre a folha de pagamento das empresas.

 

Leia a coluna na íntegra.