O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator do processo da Lava Jato na Corte, determinou nesta terça-feira, dia 4, a abertura de processo para aprofundar as investigações sobre caixa 2 de R$ 6 milhões pagos ao senador Eduardo Braga (MDB), nas eleições de 2014.

O valor foi repassado ao parlamentar pela J&F , dono da JBS, para a sua campanha a governador do Amazonas.

 

Leia mais: Investigações sobre Braga na Lava Jato devem continuar no Supremo 

 

A apuração determinada por Fachin foi para acolher pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, num pacote ações que inclui também o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro chefe da Casa Civil do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Além dele e de Braga, o ministro mandou investigar ainda Alceu Moreira (MDB-RS), Marcelo Castro (MDB-PI), Jerônimo Goergen (PP-RS), Paulo Teixeira (PT-SP) e Zé Silva (SD-MG), e dos senadores Ciro Nogueira (PP-PI, Renan Calheiros (MDB-AL) e Wellington Fagundes (PR-MT).

Leia mais em O Globo.