Israel Conte*

 

Longe de qualquer partidarismo ou preferência política. Apenas uma observação: o tempo.

Jair Bolsonaro começou a propaganda eleitoral no rádio e na TV com menos de 15 segundos de exposição. Uma notável desvantagem de sua campanha que poderia, até certo ponto, ser compensada com sua forte presença nas redes sociais.

Com o incidente da facada, o candidato à Presidência da República pelo PSL ganhou mais tempo de cobertura que todos os seus adversários juntos.

Agora, além da agenda de campanha divulgada, há o interesse jornalístico das emissoras em assuntos que vão dos desdobramentos da ação em Juiz de Fora até a completa recuperação do paciente, que deve acontecer em até dez dias, segundo os médicos.

Isso se traduz em coberturas jornalísticas de horas, superiores a qualquer aliança que tenha conseguido fechar.

É algo com que seus adversários não contavam, e que já devem estar com as equipes de estratégias prontas para repensar com que armas, sem trocadilho, vão frear aquele que, sem Lula, é o líder nas pesquisas eleitorais, e agora tem o trunfo do tempo a seu favor.

E a prevalecer o acerto dos pesquisadores eleitorais, Bolsonaro já assegurava, antes até da facada, presença na disputa final pelo Planalto em segundo turno.

É aguardar para ver o quanto essa superexposição na mídia vai agregar à sua candidatura.

As emoções no primeiro turno já estão garantidas.

 

* O autor é jornalista

 

Foto: Reprodução/YouTube