Ao contrário do que se desenhava no começo do ano eleitoral e durante o troca-troca de partidos, em abril, o senador Eduardo Braga (MDB) não deverá apoiar o governador Amazonino Mendes (PDT) em sua reeleição.

Nem Amazonino e nenhum outro candidato majoritário. Isso inclui o segundo voto na disputa pelas duas vagas de senador pela bancada do Amazonas.

Braga deverá cuidar apenas de sua campanha à reeleição e da dos candidatos a deputado federal e estadual de seu partido.

Isso significa dizer que o maior fundo partidário e o maior tempo de TV das eleições deste ano não serão creditados a nenhum dos candidatos a governador.

A informação foi dada ao BNC Amazonas por uma fonte da alta cúpula regional do MDB.

De acordo com a fonte, a tendência já domina os convencimentos do partido no estado, mas deverá ser consolidada na convenção estadual marcada para o dia 13 de julho.

O evento já está sendo mobilizado e chama para Manaus prefeitos, ex-prefeitos, vereadores, ex-vereadores e lideranças comunitárias filiadas à legenda.

Sinais não correspondidos

O senador estreitou relações com Amazonino. Esse sinal de aliança ficou exposto em vários gestos, mas o principal deles se refletiu no comportamento da líder do MDB na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), Alessandra Campelo, que suspendeu a artilharia que disparava contra o atual governo e passou a contemporizar sua fala em relação ao governador.

Na janela partidária, Braga também teve forte participação na definição de importantes filiações, principalmente de lideranças políticas do interior do Amazonas.

Aliados do parlamentar, porém, avaliam que o senador não dispensou igual tratamento como contrapartida. Eles notam que Amazonino tenta evitar a presença do senador em seus eventos.

 

Fotomontagem BNC Amazonas