Sob fortes protestos de correntes internas, o Partido dos Trabalhadores (PT) no Amazonas formalizou neste domingo, dia 5, o apoio da sigla ao candidato do PSB ao governo do Amazonas, deputado David Almeida.

O casamento, porém, está tumultuado, porque o vice petista, o ex-deputado federal Francisco Praciano, que o socialista escolheu para levar ao altar disse-lhe “não”.

Outro imbróglio à união é a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B), que se anunciou neste domingo, na convenção de seu partido, com a candidata do Partido dos Trabalhadores ao Senado.

O problema é que David não aceita a relação alegando que sua chapa está completa com o vereador Chico Preto (PMN) e a indicação que os petistas farão à segunda vaga, que inicialmente seria Francisco Praciano.

Para complicar ainda a relação PT, PSB e PC do B, o líder comunista Eron Bezerra disse ontem que os comunistas não apoiam David Almeida, nem que ele passe para o segundo turno.

Disse mais: “Se o segundo turno for entre ele e o Satanás, não apoiaremos ele”, ironizou Eron.

Praciano, por sua vez, era esperado para dar o sim a David até as 15h, mas até agora não retornou à conversa.

Na coletiva de imprensa convocada pelo PT-AM para anunciar o apoio a David, o candidato a governador chamou a questão Praciano de entrave para resolver posteriormente.

“É uma honra poder receber o apoio deputado Praciano como senador e, pelo que sabemos, esse é um entrave que nós estamos para resolver a posterior”, disse David.

Já o presidente do PT-AM, Sinésio Campos, chamou a questão Vanessa de “gargalo”:

“O gargalo existente entre PC do B e PSB será dirimido com as direções nacionais. Não compete a nós, da mesma forma que o PSB, PC do B e PT têm suas deliberações estaduais sob o julgo da executiva nacional, que eles também suem, gastem um pouco dos seus os neurônios para resolver questões estaduais”, comentou Sinésio.

 

Foto: Alex Fidelis