O ex-deputado estadual Orlando Cidade (PV) negou qualquer participação nos crimes ambientais investigados pela Polícia Federal e Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas.

Em nota distribuída à imprensa, o ex-parlamentar afirma que “não possui conexão com os fatos ou agentes investigados” e que “está à disposição das autoridades.”

A casa de Orlando Cidade foi um dos alvos de busca e apreensão da nova fase da Operação Arquimedes deflagrada na manhã desta quarta-feira, dia 10.

A PF e o MPF investigam a existência de verdadeiro balcão de negócios criminosos em torno da concessão e fiscalização de planos de manejo florestal no estado.

 

Leia mais 

Ex-chefe do Ibama no Amazonas é preso em operação da PF e MPF

MPF denuncia ex-chefe do Ibama e mais 21 por crimes ambientais

 

Servidores públicos do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), madeireiros, empresários e engenheiros florestais, entre outros, participavam do esquema.

Em abril, a operação prendeu o ex-superintendente do Ibama no Amazonas, o engenheiro Leland Barroso.

 

Sem resistência

Ainda na nota de esclarecimento, Orlando Cidade diz “que convicto de sua lisura, não ofereceu resistência aos procedimentos operados pela Polícia Federal” e “provará por todos os meios legais sua inocência”.

 

Leia a nota na íntegra.

NOTA DE ESCLARECIMENTO À IMPRENSA E À SOCIEDADE

Em atenção à sociedade e à imprensa, em virtude da extensão da Operação “Arquimedes”, que refletiu sobre sua pessoa, o ex-deputado estadual ORLANDO CIDADE esclarece que não possui conexão com os fatos ou agentes investigados pela mencionada Operação. Que ainda não possui as informações sobre o processo, mas que, mesmo assim, convicto de sua lisura, não ofereceu resistência aos procedimentos operados pela Polícia Federal.
Que provará por todos os meios legais sua inocência, idoneidade moral e ilibada conduta com a qual luta pelo setor primário do Amazonas. Ele está a disposição das autoridades.

 

Foto: Divulgação