O leilão de privatização da distribuidora Eletrobrás Amazonas Energia mal terminou e já há uma liminar suspendendo sua eficácia.

A decisão do desembargador Marcos de Oliveira Cavalcante, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 1ª região,  vem após ação movida por sindicatos de trabalhadores, representados pela Advocacia Garcez, que defende que deveriam ter sido realizados estudos sobre os impactos da desestatização sobre os funcionários.

De acordo com o magistrado, a liminar desta segunda-feira, dia 10, irá “subordinar a eficácia da concretização dos leilões remanescentes à apreciação a ser feita pelo colegiado do Órgão Especial”.

 

Arrematada

O consórcio amazonense Oliveira Energia Atem arrematou na tarde de hoje a Amazonas Energia pelo valor de R$ 50 mil.

O consórcio, único a apresentar uma proposta, deve ainda fazer um aporte inicial de R$ 491,4 milhões e assumir a dívida de R$ 2,1 bilhões da empresa.

A notícia foi publicada pela Reuters. Leia mais aqui.