Aguinaldo Rodrigues, da Redação

 

Justamente no dia (20) em que sua imagem corria o mundo pelas redes sociais e sítios na internet, flagrado em vídeo agredindo física e moralmente uma paciente fragilizada pelo ato de dar à luz, o médico obstetra Armando Andrade de Araújo, de 71 anos, foi normalmente tirar plantão no SPA Galileia, na zona norte de Manaus.

Quem denuncia a incômoda presença do médico ao BNC Amazonas são servidores da unidade de saúde do estado, que dizem não suportar mais trabalhar com Armando.

Uma enfermeira, que já assistiu o obstetra em vários partos, se refere a ele como “nojento, caquético, sem pudor. Meu Deus, ele é horrível. É muito desumano”.

“Ele não tem higiene, vai para o procedimento sujo”, afirmou ela.

Segundo a profissional de enfermagem, os casos de humilhação e constrangimento às parturientes são frequentes.

Por exemplo, quando a paciente diz “doutor, não consigo [parir]”, pelo método normal, ele responde:

“Aqui passa até uma carreta”.

 

Vítima do médico faz denúncia na TV incentivada pelo vídeo que viralizou

 

Leia mais

Vem de São Paulo notícia de que Susam quer afastar médico agressor

 

Agressão importa menos que o vídeo

Enquanto circulava tranquilamente pelo SPA, o Instituto de Ginecologia e Obstetrícia do Amazonas (Igoam), cooperativa médica que contratou o médico para prestar serviço ao Governo do Estado, informava que só tinha tomado conhecimento do episódio ocorrido com a gestante em 2018, na maternidade Balbina Mestrinho, na zona sul de Manaus, por meio da imprensa.

E que ia abrir procedimento disciplinar para averiguar o caso.

Hoje, dia 21, depois de se reunir com o secretário de Saúde (Susam) e vice-governador, Carlos Almeida Filho (PRTB), o Igoam anunciou que o obstetra será suspenso até a conclusão de investigação administrativa.

Em nota que distribuiu à imprensa, contudo, a cooperativa mostra mais disposição de procurar saber quem filmou e divulgou o vídeo do médico agredindo a jovem de 16 anos, em uma situação de total vulnerabilidade, do que a própria conduta violenta de seu cooperado.

Veja o que diz o Igoam, em trecho de nota reproduzida pelo portal Em Tempo:

“O Igoam se solidariza a parturiente e seus familiares e espera que os órgãos competentes investiguem e denunciem os responsáveis pela filmagem e divulgação nas redes sociais e imprensa, sem autorização dos presentes, causando constrangimento e dano irreparável aos envolvidos, ao invés do devido encaminhamento a ouvidoria da maternidade, onde seria evitada a desnecessária exposição da parturiente”.

 

Vídeo incentivou outras vítimas a denunciar

A parturiente, entrevistada pela TV A Crítica, mostrou mais preocupação com a agressão sofrida pelo cooperado do Igoam, que lhe causou trauma bastante para não mais querer engravidar, do que com a divulgação do vídeo, que serviu para alertar a atitude de um mau profissional que se multiplica em denúncias e processos criminais.

Foi graças a esse vídeo que o governo e as autoridades puderam saber que o obstetra Armando Araújo cometia contra a jovem outro crime no mesmo ano em que era condenado a dois anos de prisão. Ele foi um dos envolvidos na operação Jaleco.

Ou seja, quem gravou o médico praticando um crime contra uma mulher grávida, ainda que a tenha exposto a constrangimento, prestou um serviço público. Foi só depois da divulgação do vídeo pela imprensa que 16 vítimas do médico procuraram a produção da TV A Crítica (veja no A Crítica Play) para denunciar agressões.

 

Obstetra Armando Araújo é acusado de ser desumano com pacientes

 

Forçando a cesariana paga

Armando é acusado por uma delas de forçar situação para que o parto fosse por cirurgia cesariana, e aí, embora a paciente estivesse internada em unidade pública, ele só faria mediante o pagamento de R$ 4 mil. Como a família da vítima só conseguiu R$ 2 mil, o médico teria aceitado, segundo a parturiente. O episódio foi há seis anos.

 

Fotos: Reprodução/TV