A dívida de R$ 20 milhões com a Amazonas Energia, que obrigou a companhia a cortar o fornecimento de luz, não é o único problema do Tropical Hotel Manaus.

Funcionários com salários atrasados, rescisões trabalhistas pendentes, falta de recursos para modernizar as instalações e realizar manutenções básicas estão incluídos na crise que faz o resort fechar as portas.

Hoje, dos 611 apartamentos disponíveis, nenhum está ocupado. Os hóspedes que tinham reservas tiveram o valor já pago, estornado. E os que foram surpreendidos com o corte de energia foram remanejados para outros hotéis da capital.

 

Histórico de problemas

O Tropical Hotel foi inaugurado em 1976 e chegou a ser considerado um dos mais luxuosos hotéis da região norte. Foi à leilão três vezes por conta de dívidas trabalhistas e também de energia elétrica, mas escapou por meio de decisões judiciais.

O edital do segundo leilão, que aconteceria em 6 de dezembro de 2010, trazia a seguinte informação. “Em 28 de março de 1995, a companhia aérea Varig, hoje inoperante, ofereceu o Tropical Hotel Manaus como garantia de um empréstimo, no valor de US$ 100 milhões (R$ 172,8 milhões, em valores de hoje) junto ao banco Brasilian American Merchant Bank, que agiu como credor hipotecário. O controlador da instituição é o Banco do Brasil, que possui as hipotecas do Tropical Hotel. O imóvel também tem ônus com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), não revelado”.

Na época, o imóvel foi avaliado pela Justiça do Amazonas em R$ 186,8 milhões.

 

Nota oficial

A Amazonas Energia divulgou na manhã desta quinta-feira, dia 16, uma nota oficial sobre o corte no fornecimento de luz do Tropical Hotel Manaus.

Num trecho, a empresa informa que  “há mais de 20 anos ocorrem diversas tentativas de negociações com o Tropical Hotel Manaus. E, suspensões de fornecimento de energia elétrica do hotel, por não cumprimento dos acordos, ocorreram por diversas vezes, ao longo dos anos. A última negociação ocorreu em abril de 2019, quando a Amazonas Energia concedeu desconto de 60%, sobre o valor de uma dívida de mais de R$ 20 milhões, o acordo, que previa o pagamento de R$ 8 milhões, pelo Tropical Hotel, também não foi cumprido”.

Leia a nota na íntegra.

 

NOTA OFICIAL – TROPICAL HOTEL ⚡

A Amazonas Energia informa que há mais de 20 anos ocorrem diversas tentativas de negociações com o Tropical Hotel Manaus. E, suspensões de fornecimento de energia elétrica do hotel, por não cumprimento dos acordos, ocorreram por diversas vezes, ao longo dos anos. A última negociação ocorreu em abril de 2019, quando a Amazonas Energia concedeu desconto de 60%, sobre o valor de uma dívida de mais de R$ 20 milhões, o acordo, que previa o pagamento de R$ 8 milhões, pelo Tropical Hotel, também não foi cumprido. Desde o ano de 2018 até o presente momento, foram realizados três cortes por inadimplemento, entretanto a Distribuidora realizava o religamento mediante liminares.

Reforçamos que todo o procedimento realizado foi feito de forma legítima, obedecendo às regras contidas na Resolução 414/2010 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) – (art. 172), que autoriza a suspensão no fornecimento de energia para todas Distribuidoras de Energia do país, em caso de inadimplemento.

Reiteramos que a Amazonas Energia tem como maior objetivo a distribuição de energia elétrica em todo o Estado do Amazonas e, para tal, compra energia em grandes blocos e disponibiliza aos consumidores.

Importante salientar que o não pagamento das faturas de energia elétrica, implica em prejuízos principalmente para toda à sociedade, pois implica na redução da capacidade, expansão e qualidade de energia em todo o Estado.

Por fim, a Amazonas Energia reitera o compromisso de atender os clientes com mais rapidez e qualidade.

Juntos avançamos.

 

Atualização às 12h58.

 

Foto: Reprodução/ Site Tropical Hotel Manaus