O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB), disse que levou para a vida política e para a administração pública os ensinamentos do jiu-jítsu, em especial a persistência. Para ele, essa é uma característica que seus adversários conhecem bem em uma campanha eleitoral.

“O jiu-jítsu faz parte da minha vida. Quando eu tenho uma meta administrativa para cumprir, eu cumpro porque sou do jiu-jítsu. Poderia ser tenista, não desprezo judocas, nem atletas de qualquer esporte. Só quero dizer que o meu me ensinou a ser persistente”, afirmou.

Arthur Neto, faixa vermelha no jiu-jítsu e preta no judô, disse que os adversários em uma disputa eleitoral sabem o quanto é duro enfrentá-lo.

“Eu não faço baixaria, mas é luta, acordar de madrugada, ir aos diferentes bairros, até ganhar a eleição”.

Sempre traçando paralelo com o jiu-jítsu, o prefeito parecia querer dar um recado aos adversários já antecipando estratégias para o pleito de 2020.

Por exemplo, disse dever toda sua persistência a essa arte marcial. “Aquela história de não desistir nunca, e não ter nenhuma razão para achar que o adversário é melhor que eu, mas sim todas as razões, com humildade, para mostrar que eu sou melhor”, acrescentou.

 

Campeões mundiais em Manaus

O prefeito foi o convidado de honra neste sábado, dia 8, do lançamento do projeto Jiu-jítsu de Olho no Futuro, quando lutadores de jiu-jítsu e alunos da rede municipal bateram um papo sobre esporte e antibullying.

“O esporte transforma vidas. Ele resgata, fortalece o espírito, é saúde e uma importante porta para o desenvolvimento social”, disse Arthur Neto.

Em uma oficina, os campeões mundiais de jiu-jítsu Ricardo Libório e Murilo Bustamante, o “Murilo Rio”, ensinaram técnicas básicas da arte marcial a estudantes e participaram de brincadeiras interativas.

Arthur Neto, acompanhado da primeira-dama e presidente do fundo Manaus Solidária, Elizabeth Valeiko, compuseram a mesa do evento com o juiz de direito e faixa preta Luiz Carlos Valois, do mestre de jiu-jítsu Osvaldo Alves, do casal de professores da Universidade da Flórida Central (EUA) Kyle e Julie Leisher.

 

Autocrítica e novidade

Em autocrítica, o prefeito de Manaus disse que o jiu-jítsu precisa estar no currículo das escolas da rede municipal. Usando o exemplo das escolas da Flórida, em que a arte marcial é disciplina obrigatória, o prefeito anunciou que no próximo ano vai trabalhar essa ideia para oficializar o esporte nas escolas da capital.

“É um absurdo ainda não ter aqui [o jiu-jítsu]. Estamos sendo humildes e fazendo autocrítica”, afirmou.

O Jiu-jítsu de Olho no Futuro, parceria entre grupo de empresários locais e prefeitura, surgiu da ideia do empresário Carlos Edson Júnior.

Manaus é considerada um polo desse esporte pela qualidade de lutadores que já revelou, e essa foi a motivação para criar colaboração entre Universidade Central da Flórida e Prefeitura de Manaus.

“O prefeito Arthur Neto sempre foi uma grande voz do jiu-jítsu no Senado federal”, disse Libório, discípulo de Carlson Gracie, um dos maiores mestres do esporte no mundo.

Foto: BNC Amazonas