Neuton Corrêa, da Redação

 

Movimentos feitos por aliados do ex-governador Amazonino Mendes (PDT) para tentar influenciar no resultado da eleição para a presidência da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) provocaram efeito colateral contrário.

Ao invés de ajudar a candidatura do decano Belarmino Lins (PP), as articulações podem ter consolidada a vitória do deputado Josué Neto (PSD, na foto) com três semanas de antecedência do pleito, que ocorrerá no dia 1º de fevereiro.

Neto, que possui a assinatura de 17 dos 24 membros da casa, até agora contabiliza votos declarados de 13 colegas, todos com declaração gravada em vídeos.

Essa exposição dos votos pode ter sido uma reação de deputados que já se alinharam ao governo Wilson Lima (PSC),  e contra Amazonino. Além disso, acenam uma rejeição natural a Belão, tratado pelos jovens parlamentares eleitos como peça remanescente da velha política. Aquilo que Wilson combate desde a campanha.

Mas, a gota d’água dessa eleição interna está em reuniões puxadas por aliados e ex-assessores do ex-governador. Nelas, deixam claro que Amazonino pretende eleger a futura mesa diretora para criar dificuldades a Wilson. Seria o troco pela oposição do atual presidente da ALE-AM, David Almeida (PSB), que teve de enfrentar no mandato tampão.

 

Rebecca x Neto

A última dessas reuniões foi puxada pela ex-deputada federal Rebecca Garcia (PP), candidata a vice-governadora na chapa de Amazonino no ano passado.

Ela reuniu três dos quatro eleitos do PP à ALE-AM e demonstrou que pretende usar a força política conquistada por seu partido na casa, que elegeu a maior bancada da próxima legislatura.

 

Campeã de votos rebelada 

Apesar disso, internamente, o partido de Rebecca não deverá agregar um desses quatro votos. É o de Mayara Pinheiro, a campeã de votos na eleição à assembleia. Ela já bateu martelo de que, nem enquadrada pelo PP, votará no indicado de Rebecca, o Belão.

Mayara já conversou e está alinhada com Wilson.

 

Foto: BNC Amazonas