Os três sócios dos Supermercados DB, dois ex-gestores da Superintendência Estadual de Habitação (SUHAB) e mais 10 pessoas foram denunciados pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM) pela prática de 23 crimes de estelionato e mais 23 delitos de lavagem de dinheiro.

Os crimes se referem à liberação de um imóvel onde hoje existe um shopping center e o Hiper DB Nova Cidade.

As investigações do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO) apontaram que entre os anos de 2006 e 2008, os empresários Sidney de Queiroz Pedrosa, Silas de Queiroz Pedrosa e Raimundo Sales de Queiroz Pedrosa, sócios executivos do Supermercado DB Ltda, atuaram junto à cúpula da SUHAB, em especial Robson da Silva Roberto e Sidney Robertson Oliveira de Paula, então Diretor-Presidente e Diretor-Executivo, respectivamente da autarquia de habitação, e obtiveram de forma ilícita um imóvel de 21.847,87 m² , localizado no bairro Nova Cidade, zona norte de Manaus, causando um prejuízo de R$ 8.450.228,40 ao erário.

Segundo consta nos autos, o lote de terras de mais de 20 mil m² foi desmembrado em 23 lotes menores, todos com metragem inferior a mil m².

 

Venda ilegal

Ato contínuo, esses lotes foram vendidos para os adquirentes Silvio de Queiroz Pedrosa, Sonia Maria de Queiroz Pedrosa, Celio de Queiroz Pedrosa, Jonne Marcio Galucio Rebelo, Eleonora Silva Yamashita, Evandro Campelo de Souza Alves, Caio Leandro Mello Pedrosa, Sirlene de Queiroz Pedrosa, Bruno Eustáquio Queiroz Pedrosa Santos, Rosilene Maria Lima de Encarnação, todos empregados do Supermercado DB ou parentes dos executivos.

A venda desses lotes de terras contíguos não poderia ter sido efetivada da maneira como foi, tendo os denunciados se valido de vários artifícios para ignorar as restrições legais para a alienação, pois desobedeceram a Lei de Licitações, que determina que a venda de bens imóveis públicos deve ser precedida de licitação, modalidade concorrência, entre outras irregularidades.

A conduta criminosa possibilitou a transferência de um imóvel público de 21.847,87 m², no qual foi construído um shopping center e um Hipermercado, causando um prejuízo de quase R$ 8,5 milhões à autarquia de habitação.

 

Denunciados 

Sidney de Queiroz Pedrosa, Silas de Queiroz Pedrosa e Raimundo Sales de Queiroz Pedrosa foram denunciados pela prática de 23 delitos de estelionato majorado e 23 delitos de lavagem de dinheiro.

Robson da Silva Roberto e Sidney Robertson Oliveira de Paula foram denunciados pela prática de 23 delitos de estelionato majorado.

Eleonora Silva Yamashita, Bruno Eustáquio de Queiroz Pedrosa dos Santos, Caio Leandro Melo Pedrosa, Celio de Queiroz Pedrosa, Jonne Márcio Galucio Rebelo, Evandro Campelo de Souza Alves, Silvio de Queiroz Pedrosa, Sirlene de Queiroz Pedrosa E Sonia Maria de Queiroz Pedrosa foram denunciados pela prática de 23 delitos de estelionato majorado e 23 delitos de lavagem de dinheiro.

Rosilene Maria Lima da Encarnação foi denunciada pela prática de 1 delito de estelionato majorado e 1 delito de lavagem de dinheiro.

 

*Com foto e informações da assessoria do MP-AM.