Em São Paulo para participar da reunião anual do Movimento Brasil Competitivo, o governador eleito Wilson Lima (PSC), ao lado do vice Carlos Almeida Filho (PRTB), revelou por que as empresas do polo industrial da Zona Franca de Manaus (ZFM) não têm parceria com escolas públicas, só privadas: nunca foram procuradas.

“Existem empresas do polo industrial de Manaus que já fazem parcerias com escolas particulares. Em uma das visitas eu perguntei por que motivo não faziam com as escolas públicas, e eles disseram que nunca foram procurados”.

Defendeu ele que essas parcerias podem ampliar a disponibilidade de recursos e contribuir para melhor eficiência de gestão.

Wilson, participando do painel “Governos inteligentes para o futuro”, disse que governar o Amazonas vai ser um desafio e voltou a denunciar que herdará de Amazonino Mendes (PDT) um déficit de 1,5 bilhão de reais. “O que é muito preocupante”, disse.

Sobre a ZFM, Wilson falou aos colegas governadores eleitos neste ano que é um modelo de desenvolvimento que tem sido “muito atacado, muito afrontado”.

Afirmou que a preocupação de seu governo vai ser de assegurar as garantias da ZFM, mas que é preciso desenvolver outras matrizes econômicas, com estrutura para isso.

 

Leia mais

Wilson Lima precisa de um ano e meio de austeridade

 

Observatório digital

No evento promovido pelo grupo empresarial Gerdau e revista Exame foi lançado o Observatório de Transformação Digital, uma parceria entre sociedade civil, setor empresarial e governo federal para garantir a participação da população nas políticas públicas do setor.

Além de Wilson, participaram do encontro os eleitos Rodrigo Rollemberg (DF), Romeu Zema (MG), Eduardo Leite (RS), Renato Casagrande (ES) e o atual governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, além de empresários e parlamentares.

 

Foto: Divulgação/assessoria de Wilson Lima