Por decisão do juiz eleitoral Francisco Soares de Souza, da 37ª Zona Eleitoral do Amazonas, o processo de investigação por corrupção e organização criminosa nas eleições 2018 contra o deputado estadual Saullo Vianna (PPS) foi suspenso no último dia 31 de janeiro. A publicação é no diário da Justiça desta segunda, dia 4.

O magistrado anulou as provas que levaram o Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) a pedir a prisão de Saullo, ocorrida no dia 7 de dezembro. Tudo correu na esfera federal.

Para o juiz, a investigação e a prisão são erros processuais, por terem origem em “juízo incompetente”, daí a anulação das provas colhidas. Ele entendeu que a competência é da Justiça Eleitoral.

 

Leia mais

Saullo diz que seu grupo terá candidato a prefeito em Parintins

 

Denúncia envolve TRE-AM

Saullo foi denunciado pelo MPF após receber notícia-crime de adversário no pleito de 2018 de que um agente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM) garantiria 8 mil votos ao deputado por meio de fraude.

Na sentença do juiz eleitoral Francisco Souza é negada ao suplente de Saullo, o coronel PM Amadeu Soares (PPS), acesso aos autos do processo.

Leia mais no portal de A Crítica.

 

Leia mais

Saullo Vianna diz que suplente Amadeu “saiu das sombras”

 

Foto: BNC Amazonas