A Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados aprovou proposta para cancelar o decreto que reduz, gradualmente, descontos na tarifa de energia para produtores rurais.

Os subsídios acabariam em cinco anos, de acordo com o Decreto 9.642/18, e afetariam unidades rurais, irrigação e prestadores de serviço público de saneamento básico. As informações são da Agência Câmara Notícias.

Os deputados aprovaram o Projeto de Decreto Legislativo 7/19 que susta os efeitos da norma do Executivo por considerar que o governo exorbitou o seu poder regulamentar.

Os descontos na conta de energia são subsidiados pela Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que garante aos agricultores subsídio desde 2013.

O relator, deputado baiano do PRB João Roma (foto), afirmou que o decreto é “deletério para a economia brasileira”, ainda que seja compreensível a preocupação do governo federal com o equilíbrio das finanças.

O maior impacto, segundo ele, vai recair sobre pequenos agricultores irrigantes, que terão um aumento de 43% no valor da conta de energia.

“A perda dos descontos pode inviabilizar algumas culturas irrigadas. E a irrigação é o que torna o agricultor familiar um empreendedor rural, produzindo mais e melhor”, justificou.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em 2019, estão estimados em R$ 3,4 bilhões os descontos somente para os consumidores rurais, bem como em R$ 850 milhões para as companhias de saneamento.

 

Tramitação

A proposta será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e precisa ir a voto no Plenário.

 

Foto: Agência Câmara