O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), deverá enfrentar um impeachment pedido pelo vereador Átila Nunes (MDB-RJ) por causa de reunião secreta, na sede da prefeitura, com 250 pastores e líderes evangélicos, ocasião em que prometeu várias facilidades aos fiéis.

Crivella (foto) teve a conversa gravada, e o primeiro pedido do impeachment foi protocolado na Câmara da capital fluminense contra o chefe do executivo municipal.

De acordo com informações do colunista Lauro Jardim, de O Globo, Nunes listou no documento diversas iniciativas de Crivella privilegiando a Igreja Universal.

“Crivella vem administrando a cidade ao arrepio da Lei e dos Princípios Fundamentais norteadores da democracia vigente em nosso país, bem como ferindo frontalmente os princípios mais básicos de nossa República e da administração pública”, diz parte do texto.

No pedido, que tem 60 páginas, o vereador defende a “apuração de crime de responsabilidade e infração político-administrativa” e requer “que seja ao final decretado o impeachment do prefeito” e a “sua inabilitação para exercer função pública pelo prazo de oito anos”.

Durante o encontro gravado e divulgado pelo O Globo, na última semana, os convidados foram orientados a não pegar no celular.

Em áudios da reunião, Crivella promete facilidades para fiéis na marcação de cirurgias e na regularização do IPTU para igrejas.

 

Prefeito responde

A Prefeitura do Rio se pronunciou, por meio de nota, e afirmou que a reunião citada teve como objetivo prestar contas e divulgar serviços importantes para a sociedade, entre eles o mutirão de cirurgias de catarata e o programa sem varizes.

A nota afirma ainda que, desde o início de sua gestão, o prefeito Marcelo Crivella já recebeu os mais diversos representantes da sociedade civil, para tratar dos mais variados assuntos, tanto em seu gabinete quanto no Palácio da Cidade.

Fonte: Política ao Minuto

 

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil /Arquivo