O PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) anunciou, nesta semana, que abriu mão do comando do Ministério do Trabalho. Ontem, dia 6, a Polícia Federal deflagrou a terceira fase da operação Registro Espúrio.

A operação de ontem também afastou, a pedido do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Helton Yomura da pasta.

Como Congresso em Foco mostrou no mês passado, a possibilidade de entregar a pasta já era cogitada pela cúpula partidária.

“Tem que entregar o Ministério [do Trabalho]. Em face dos problemas [de corrupção] que ocorreram, o melhor é o partido entregar o comando do ministério”, disse à reportagem uma importante liderança do Congresso alinhada ao atual comando da pasta.

O presidente do partido, Roberto Jefferson (na foto coma filha Cristiane), publicou o comunicado sobre a entrega do comando do ministério em sua conta no Twitter.

A nota assinada pelo ex-deputado cassado afirma que a Executiva do partido “coloca o Ministério do Trabalho à disposição do governo Michel Temer”, e que se houver irregularidade no ministério, os responsáveis terão de responder por seus atos na Justiça.

Yomura foi indicado pelo partido após a deputada e filha de Roberto Jefferson, Cristiane Brasil (PTB-RJ), ser impedida pelo STF de assumir a pasta.

Os gabinetes do ministro afastado e do deputado federal Nelson Marquezelli (PTB-SP) foram alvos de mandados de busca e apreensão.

 

“Testa de ferro”

A PF aponta que Yomura, indicado com as bênçãos de Cristiane e seu pai,  era “testa de ferro” da cúpula do PTB.

Para os investigadores, Yomura tinha o papel de “viabilizar a ingerência” de Cristiane Brasil na pasta e “dar continuidade aos desmandos” do presidente do PTB, Roberto Jefferson,

“Não concordamos, todavia, com inferências divulgadas antes que as investigações estejam concluídas. Pessoalmente, insisto: não participei de qualquer esquema espúrio no Ministério do Trabalho. E acrescento que minha colaboração restringiu-se a apoio político ao governo para que o PTB comandasse a Pasta”, diz Roberto Jefferson no comunicado.

O presidente da sigla não foi um dos alvos da operação de sexta, mas faz parte das investigações da Operação Registro Espúrio.

Helton Yomura trabalhou como advogado de Cristiane Brasil. Ele já respondia interinamente pela pasta desde o final do ano passado, com a saída do antigo titular, o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS).

 

Leia a íntegra da nota do PTB: 

“O Partido Trabalhista Brasileiro vem a público mais uma vez para reafirmar seu apoio às investigações da Operação Registro Espúrio no âmbito do Ministério do Trabalho.

Como já foi dito, se houve irregularidade na Pasta caberá aos responsáveis responder à Justiça por seus atos.

Não concordamos, todavia, com inferências divulgadas antes que as investigações estejam concluídas. Pessoalmente, insisto: não participei de qualquer esquema espúrio no Ministério do Trabalho. E acrescento que minha colaboração restringiu-se a apoio político ao governo para que o PTB comandasse a Pasta.

Comunico ainda que a Executiva Nacional do PTB coloca o Ministério do Trabalho à disposição do governo Michel Temer.

Brasília, 5 de julho de 2018

Roberto Jefferson
Presidente Nacional do PTB

 

Foto: Reprodução/PTB