Por Lúcio Carril*

 

Lula foi condenado novamente, sem provas. O domínio do fato é o instituto jurídico do fascismo e assim caminha o Brasil, sem humanidade.

O ódio cria o horror, e o terror. Não é Lula o condenado; é toda uma classe social que ele representa. As grades da desigualdade cercam favelas, bairros, morros, zonas rurais. São invisíveis, mas a exclusão é sentida como uma condenação injusta, tal qual a do Lula.

O fascismo não vai parar e procura, sem saber, sarna para se coçar. Não existe autoritarismo perene.

Condenaram Lula? Que nada. Condenaram os pobres a morrerem no trabalho até a exaustão, sem o direito de se aposentar. Condenaram os pobres a não terem médicos e Sistema Único de Saúde. Condenaram os pobres e os filhos dos pobres a terem uma educação medíocre, que tira todas suas possibilidades de melhoria de vida. Lula é só um aviso para pobre não se meter a ser gente e dominar sua vida.

Lula não é nada diante do que te aguarda, pobre desgraçado.

 

*O autor é sociólogo e comunista

 

Foto: Reprodução/site lula.com.br