Jornalistas de diversos veículos de comunicação que pretendiam ouvir declarações do governador Amazonino Mendes (PDT) sobre assuntos importantes para a capital e o interior ficaram sem respostas na manhã desta terça-feira, dia 12, na sede do Governo do Estado.

Isso porque o governador retirou-se antes do término da coletiva de imprensa, convocada pela própria Secretária de Comunicação (Secom), para tratar sobre a escolha de Manaus para sediar a Copa Libertadores da América de Futebol Feminino 2018.

O convite, distribuído na noite de ontem (11), confirmava a presença de Amazonino e esperava-se que ele atendesse aos repórteres que quisessem questioná-lo sobre temas pertinentes à chefia do Executivo estadual. Não aconteceu.

Ao encerrar sua fala, o que normalmente precede as perguntas dos jornalistas, Amazonino justificou: “Vou ter que subir porque o dever me espera e a barra tá pesada”.  Em seguida levantou-se e deixou o secretário de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), Manoel Almeida, para responder as perguntas.

Sem resposta

Se tivesse ficado, Amazonino certamente teria que responder se aceitaria ou não a parceria proposta pelo prefeito Arthur Neto (PSDB) para asfaltar 10 mil ruas de Manaus.  Ou dar mais detalhes sobre o Compaj 2, presídio que será construído com tecnologia à prova de túneis. E ainda comentar o porquê da liberação de R$ 150 milhões para acabar com a buraqueira que domina os 260 quilômetros da rodovia AM-10, ter ocorrido somente após o acidente que matou três pessoas de uma mesma família no último domingo.

Essas eram algumas das perguntas que circulavam entre os colegas jornalistas, antes do início da coletiva.