Apesar dos apelos feitos pelo prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), e do vice-prefeito, Marcos Rotta (PSDB), em reunião na noite desta quarta-feira, dia 30, não houve acordo entre o Sindicato dos Rodoviários e o Sindicato dos Empresários do transporte coletivo (Sinetram) e a greve de ônibus em Manaus, continua.

O prefeito descreveu o clima da reunião: teimosia das duas partes. E afirmou que entrará na Justiça pedindo “multas pesadas”.

“Dei todas as chances de acordo tanto aos trabalhadores rodoviários quanto aos empresários do sistema.  Como não houve êxito, eu vou exatamente cumprir aquilo que eu disse ontem (dia 29): entrar com duas ações civis públicas, se necessário até no plantão (judiciário) agora, pedindo multas pesadas, contra as duas partes: o sindicato dos trabalhadores e o sindicato dos empresários”.

Arthur havia dado o prazo de 24 horas, a contar da noite de ontem, depois de uma tentativa para que ambas as partes entrassem em entendimento para pôr fim à paralisação parcial da circulação de ônibus na capital, que já dura mais de 40 horas.

Apesar da falta de acordo hoje, o prefeito disse que continua aberto para intermediar o diálogo entre rodoviários e empresários.