O senador Romero Jucá (MDB-RR) se tornou réu, nesta terça-feira (13), no Supremo Tribunal Federal (STF) acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A decisão, por unanimidade, é da Primeira Turma da corte que acatou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF).

É a primeira vez que o Supremo torna o senador do MDB réu.

Além dessa ação, Jucá é alvo de 12 inquéritos no Supremo Tribunal Federal, tendo sido denunciado três vezes pelo Ministério Público Federal (a corte ainda não analisou se aceita essas acusações).

Segundo a denúncia do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Jucá pediu uma doação de R$ 150 mil à Odebrecht para a campanha eleitoral do filho Rodrigo em 2014, então candidato a vice-governador de Roraima.

Em delação premiada, o ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira Cláudio Melo Filho afirmou que a doação foi feita ao diretório do PMDB.

Em troca, segundo Melo Filho, a empresa esperava que Jucá a beneficiasse durante a tramitação de duas medidas provisórias no Congresso. Jucá nega a acusação.

Durante o julgamento nesta terça, o subprocurador da República Juliano de arvalho defendeu o recebimento total da denúncia.

Ele afirmou que “há indícios suficientes de que a campanha eleitoral foi financiada em parte pela construtora Odebrecht e por isso Jucá esteve a disposição na tramitação das medidas provisórias”, afirmou.

Fonte: G1

 

Foto: Agência Senado