Até esta sexta-feira, dia 11, 85% das 842 vagas do programa Mais Médicos para as regiões Norte e Nordeste não tinham sido preenchidas. Significa que a cada grupo de dez médicos, pelo menos oito não topam trabalhar em postos de saúde das regiões mais pobres economicamente do país.

Do Nordeste, na verdade, só há vagas não preenchidas na Bahia. Já no Norte, todos os estados foram rejeitados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Na rica região Sudeste nenhum posto de saúde ficou sem interessado.

Dessas vagas do norte do país, mais da metade, 51%, estão nos estados do Amazonas e Pará. E a cada quatro postos sem médico, um é distrito de saúde indígena.

 

Leia mais

Amazonas pode perder R$ 900 mil por falta de médicos no interior

 

O não preenchimento dos claros deixados pelos médicos cubanos persistem apesar do chamamento do governo federal em dois editais lançados neste ano.

Esse levantamento é do jornal O Estado de S. Paulo, com base em dados do Ministério da Saúde.

Leia mais no portal do UOL.

 

Foto: Agência Brasil/EBC (arquivo)