O jornal O globo destaca neste sábado, dia 10, que o governo alemão resolveu congelar R$ 155 milhões para projetos de preservação da Amazônia.

O anúncio foi feito pela ministra alemã do Meio Ambiente, Svenja Schulze, que afirmou ao jornal alemão “Tagesspiegel” que vai congelar o financiamento para projetos de proteção da biodiversidade na Amazônia por conta do aumento do desmatamento na região.

Na última quinta-feira, dia 7, durante audiência pública na Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional da Amazônia (Cindra), na Câmara dos Deputados, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que se os recursos repassados ao Fundo Amazônia pela Alemanha e Noruega, principais doadores, sofrerem ingerência internacional não interessam ao país.

Salles  declarou que o Fundo é “um montante tão inexpressivo diante de uma região tão grande”.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou dados que apontam crescimento do desmatamento na Amazônia Legal.

Segundo o Instituto, o desflorestamento cresceu 60% em junho em relação ao mesmo período de 2018. No mês, a Amazônia perdeu 7.536 km² de floresta e foi destruída uma área equivalente a 106 mil campos de futebol.

Em julho, foram atingidos 2.254,9 km², no mesmo mês em 2018, o índice ficou em 596,6 km².

O Globo destaca a reportagem internacional. “Enquanto o governo do presidente de direita, Jair Bolsonaro (PSL) está comprometido com o objetivo do Acordo Climático de Paris de reduzir o desmatamento ilegal de floresta a zero até 2030 e o reflorestamento massivo, a realidade é diferente. Um dos maiores defensores de Bolsonaro é o lobby agrário”, diz o trecho.

A ministra alemã afirmou que a política do governo brasileiro na região deixa dúvidas sobre o combate ao desmatamento e no interesse pela redução das taxas, ela disse que o financiamento poderá ser mantido caso as questões sejam esclarecidas.

 

Fundo Amazônia

O Fundo Amazônia recebe dinheiro da Alemanha e Noruega. Foi criado em 2008 para receber doações para conservação ambiental e desenvolvimento de atividades sustentáveis.

É administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e ao longo de 11 anos, já recebeu cerca de R$ 3,4 bilhões.

Conforme nota, a embaixada alemã no Brasil afirmou que a suspensão deve atingir apenas recursos destinados a novos projetos financiados pelo Ministério do Meio Ambiente. Disse ainda que, embora decisão,  programas que incluem o Fundo Amazônia estão mantidos.

Leia reportagem.

Leia mais:

Ministro do Meio Ambiente diz que Fundo Amazônia é inexpressivo

 

Foto: Divulgação/Ibama