Uma reforma séria e profunda na administração foi uma das principais medidas que o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), anunciou na leitura da mensagem anual do governo na reabertura dos trabalhos da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) neste dia 5.

“Não é aquela reforma no papel. É uma reforma séria e profunda. O estado precisa avançar, não pode continuar no passado”, afirmou.

Anunciando renovação do armamento das polícias, Wilson disse que o calibre das pistolas vai mudar de .40 para 9 milímetros, o mesmo usado pela Polícia Federal e Forças Armadas.

“O estado vai comprar e haverá doação, por parte do governo federal, de armamento. O estado vai ter em mãos três mil pistolas 9 milímetros e 500 espingardas calibre 12 semiautomáticas”, disse.

 

O rombo na saúde e apelo aos deputados

Reafirmando que inicia sua gestão com um rombo herdado de Amazonino Mendes (PDT) de R$ 3 bilhões, Wilson anunciou repactuação e regularização de contratos por meio de licitações, auditoria de dívidas do governo com fornecedores e restringir contratações com dispensa de licitação.

“É gravíssima a crise financeira porque passa nosso estado. A maior de todos os tempos e ouso dizer, sem medo de estar errado, fruto de completa falta de planejamento e total e absoluto desrespeito com o dinheiro público”, disse.

Desse rombo nas finanças de R$ 3 bilhões, o governador afirmou que R$ 1,1 bilhão é na área da saúde. Há ainda, segundo ele, aumento dos gastos com pessoal que, entre 2010 e 2017, subiram 91%, enquanto a receita só aumentou 61%.

 

Leia mais

Governador escolhe Carlinhos Bessa como seu líder na ALE-AM

 

Contratos sem registro

Wilson revelou que já foi constatado que de 1.500 serviços terceirizados pelo governo, menos de 500 têm contrato. “Ou seja, foi só apalavrado. E o pior: mais de 90% dos contratos com equipes terceirizadas não têm suas metas batidas e nem apresentam indicadores dos serviços prestados”.

O governador apelou aos deputados estaduais que colaborem na busca de solução para resolver os problemas da saúde.

Sobre a dívida deixada pelos governos anteriores, Wilson afirmou que vai tratar com prioridade. “Vou organizar isso”, disse, esperando contar com o Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) para um termo de ajustamento de gestão.

 

Leia mais

TCE-AM suspende rescisão de contrato do governo com empresa

Boas notícias

Wilson anunciou que em 100 dias vai abrir 300 novos leitos em urologia e ortopedia na rede hospitalar, em parceria com o Hospital Universitário Getúlio Vargas.

De acordo com a mensagem do governo, a meta é reduzir em 70% o número de pessoas nas filas das unidades de saúde até o final deste semestre.

“As tratativas já estão avançadas também com o Regula Mais Brasil, um convênio a nível nacional que utiliza a expertise do hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. A partir disso, reorganizamos e diminuímos a fila de espera no Sisreg, onde estão mais de 100 mil pacientes”, afirmou.

Na educação, Wilson disse que autorizou a execução de um plano emergencial para reformar 179 unidades na capital e no interior do estado.

Novos programas de gestão pedagógica e administrativa serão implantados pela Secretaria de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) para garantir a universalidade de acesso ao ensino básico, reverter o grande índice de desistência e a grave evasão de alunos.

Para derrubar os índices de violência e criminalidade do Amazonas, hoje acima da média nacional, o governador anunciou a elaboração e execução de um plano em parceria com o governo federal. Sem dar maiores detalhes, Wilson disse apenas que é para “tratar da questão macro de segurança”, como fronteiras e tráfico de drogas.

Anunciou a implantação de uma nova modalidade de policiamento ostensivo, o Rocam Moto, inicialmente com 60 motocicletas. O objetivo é aumentar a segurança nas zonas comerciais onde é difícil o deslocamento de viaturas quatro rodas.

 

Foto: BNC Amazonas