Desde a campanha, o então candidato Wilson Lima (PSC) denunciava que o adversário Amazonino Mendes (PDT) deixaria o estado com um rombo superior a R$ 1 bilhão. O governador que tentava a reeleição negava.

Nos primeiros dias após a posse, Wilson anunciava que estava herdando o Amazonas com dívidas e déficits na casa dos R$ 2 bilhões.

Hoje, nos primeiros 17 dias de sua gestão, ele constata que errou em suas previsões. O governador afirmou que o buraco nas contas públicas confirmado agora é de R$ 3 bilhões.

“Esse é o rombo do Governo do Estado. E pode ser ainda maior, porque, à medida que vamos tendo acesso aos sistemas, a gente vai descobrindo coisas escabrosas”, afirmou.

Segundo Wilson, vão continuar as auditorias nos contratos firmados por Amazonino sem licitação. A missão é da Controladoria-Geral do Estado (CGE).

 

Leia mais

Governo Bolsonaro pode investigar Amazonino por rombo nas contas públicas

 

Foto: BNC Amazonas