A lista tríplice formada no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) para a vaga de membro do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) na classe dos advogados, nesta terça-feira, dia 13, corre o risco de ser anulada.

Essa polêmica está instalada porque a definição de nomes se deu de forma secreta.

Isso, em ocasião anterior, já foi motivo de anulação de lista formada no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) ao indicar juíza à corte. Nesse caso, o pedido foi feito pelo partido PSB.

Antes da votação, houve polêmica em torno dos parentes de desembargadores que concorriam à vaga; após, a exclusão da lista de nomes com atuação na Justiça Eleitoral em benefício de pessoas sem militância nessa área.

 

Os votos

Veja como ficou o placar da votação a que o BNC teve acesso. Cada desembargador poderia votar em três nomes:

  • Gisele Pascarelli Lopes (17)
  • Vasco Vasques (14)
  • Francisco Maciel (11)
  • Felipe Thury (9)
  • Maria Benigno (5)

 

Mais um

Confirmando a força política exercida hoje no TJ-AM pelo desembargador Flávio Pascarelli, o juiz Abraham Campos Peixoto foi reconduzido ao TRE-AM também nesta terça-feira.

Ele concorreu a uma das vagas de desembargador conquistada pelo juiz Elci Simões e Joana Meirelles. Os dois eram favoritos, conforme adiantou o BNC , por terem recebido as bênçãos do grupo de Pascarelli.

 

Fica assim não

Visivelmente abatido após ter sido excluído da lista tríplice e ser impedido de concorrer à sua recondução ao TRE-AM, o jurista Felipe Thury foi consolado ao final da sessão pelo desembargador Ari Moutinho.

Ouviu palavras de incentivo e respondeu: “Não, tá tudo bem desembargador”.

Thury concorreu na lista da OAB para a vaga de desembargador do TJ-AM, mas a votação de ontem não o coloca em condição tão confortável dentro da corte.

 

Foto: Divulgação/TJ-AM