O projeto Amazônia Viva, idealizado pelo promotor de Justiça do município de Alvarães, Roberto Nogueira, tem varias metas e uma delas pretende reativar o projeto de vender o peixe pirarucu como bacalhau do Amazonas para o restante do Brasil.

Ao repórter Coyote, colaborador free-lancer do BNC Amazonas no interior do estado, Nogueira mostrou entusiasmo com a ideia. Ao lado do colega Otávio Gomes, disse que o “bacalhau do Amazonas” é alternativa econômica e de sustentabilidade para os municípios.

O promotor revelou que a estratégia para o sucesso é mostrar o quanto é saborosa e diferente a carne do pirarucu na comparação com o bacalhau tradicional.

“O marketing do projeto original [criado pelo governo com o nome de Bacalhau da Amazônia], por exemplo, foi equivocado. As pessoas compravam o bacalhau e queriam gosto de bacalhau. Mas não era. Era o nosso pirarucu”, afirmou Nogueira.

Prosseguiu ele dizendo que o pirarucu “é muito mais saboroso”, mas a forma como foi vendido causou entraves ao sucesso do Bacalhau da Amazônia.

 

Peixe como ferramenta social

Segundo o promotor, o Amazônia Viva é uma ferramenta social que busca soluções e alternativas para a falta de saídas econômicas para as populações do interior do estado.

Como exemplo, Nogueira diz que a potencialidade de municípios como Tefé e Maraã, em produzir móveis e utensílios a partir de madeira rústica, de Uarini, com a famosa farinha de mandioca, e Iranduba, no cultivo de alimentos orgânicos, precisa ser incentivada para proporcionar crescimento.

 

Apoio do MP-AM

Nogueira disse que a capacitação das pessoas e a logística do Amazônia Viva vão ser feitas pelo Sebrae e órgãos do governo, como Cetam (centro de formação tecnológica) e Afeam (agência de fomento).

O autor do projeto fez agradecimento especial à procuradora-geral de Justiça do Ministério Público do Amazonas (MP-AM), Leda Mara Albuquerque, pelo apoio integral à ideia.

“Estamos apenas começando um processo de mudança de estrutura para beneficiar milhares de pessoas no interior”, disse Nogueira.

(Por Hudson “Coyote” Lima)

 

Foto: Divulgação