Neuton Corrêa, da Redação

 

Reeleito com dificuldades na disputa política do Amazonas este ano, o senador Eduardo Braga (MDB) aparece neste dia 25 numa nota da Coluna do Estadão como candidato à presidência do Senado.

O impresso vai além: diz que o parlamentar do Amazonas tem chances de chegar ao posto de número 1 do Congresso Nacional.

O jornal escreve isso levando em consideração a hipótese da eleição da Casa, em fevereiro, ocorrer por voto aberto.

Nesse caso, avalia a nota, Braga teria mais chance do que sua colega de partido Simone Tebet (MS), porque “tem mais apoio fora do Senado do que ela”.

O texto é uma sequência de tópicos que começam com possibilidade do Senado recorrer da decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do STF, que determinou voto aberto na eleição para a presidência da Casa.

“Um dos temores é de que, ao tentar derrubar a liminar, o Supremo mantenha a decisão do ministro, o que praticamente consolidaria o voto aberto e abriria uma crise institucional caso o ‘plano B’ de ignorar a determinação seja executado”, escreve a coluna, acrescentando:

“Se a opção for por provocar a Corte, dirigentes já falam em adiar a eleição até que o impasse seja superado – o que paralisaria os trabalhos no Senado na largada de 2019”.

Em votação fechada, o favorito é Renan Calheiros (MDB-AL), aliado de Braga.

Leia a nota do Estadão

Faça suas apostas. Para aliados do candidato Renan Calheiros (MDB-AL), se for mantido o voto aberto, Simone Tebet (MDB-MS) teria mais chances de presidir o Senado. Outra aposta do MDB é Eduardo Braga (AM), que tem mais apoio fora do Senado do que ela. 

Senador

O BNC AMAZONAS tentou ouviu o senador a respeito da informação, mas até a publicação do post ele não havia respondido à mensagem enviada para seu WhatsApp.

 

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado