O deputado federal Átila Lins negou na tarde desta segunda, dia 14, que sua mudança do PSD para o PP tenha sido negociada com a liberação de emendas ou verbas públicas na área da saúde, como denunciou a revista IstoÉ no final de semana.

Átila afirma que dos R$ 7,65 milhões do Fundo Nacional de Saúde (FNS) que a revista lhe atribui como liberados por suas emendas, apenas R$ 2 milhões, para Tefé, foram efetivamente executados. E assim mesmo, de forma incompleta: foi liberado R$ 1,8 milhão para a construção de uma UBS (unidade básica de saúde) fluvial.

Segundo o deputado, as demais emendas, do orçamento da União em 2016, foram liberadas por meio do relator da comissão, que ele afirma não ter sido o deputado Artur Lira, como cita a matéria.

“Incluíram recursos para os municípios de Tefé, Borba e Coari e atenderam interesses do povo do Amazonas para investimentos na área de saúde em 2017, e não foi solicitado por mim. Precisamos descobrir quem pediu ao relator”, disse.

 

Luta por emendas continua

O deputado progressista reafirma que nenhuma outra emenda sua teve recurso liberado. Átila disse que espera ainda que outras emendas suas sejam liberadas, com a de R$ 2 milhões para UBS fluvial de Carauari.

Sobre ter ido ao presidente da República, Michel Temer (MDB), pedir liberação de recurso, Átila confirma. Trata-se de uma emenda de R$ 21 milhões, de 2016, para construção de um hospital da mulher em Coari.

 

Apoio para reeleição

A busca de apoio para sua reeleição à Câmara dos Deputados foi a razão de ter saído do PSD do senador Omar Aziz para ingressar no PP da pré-candidata a governadora Rebecca Garcia, segundo afirmou o deputado.

“A opção de mudar de partido se deu em razão do cenário político no Amazonas. Preferi migrar para uma legenda na qual tivesse maior apoio para a minha reeleição”.

Sobre os R$ 2,5 milhões do fundo partidário para sua campanha, Átila afirmou que esse é o teto para todos. Com a saída de Conceição Sampaio para o PSDB, ele é o único do PP no Amazonas que vai tentar se reeleger.

 

Ninguém do PP-AM na Lava Jato

O deputado, a respeito da IstoÉ ter colocado o PP como dos partidos com mais membros investigados na operação Lava Jato, o Amazonas não tem ninguém envolvido em qualquer denúncia.

“Não vamos generalizar”, afirmou Átila. Na informação distribuída ao BNC Amazonas, o deputado não diz se vai representar ou responder à IstoÉ.

 

Foto: Divulgação/Agência Câmara